Gêneros textuais por meio de jogos, dinâmicas e desafios matemáticos

postado em 4 de mai de 2015 16:24 por Andre Martins   [ 16 de jun de 2015 10:18 atualizado‎(s)‎ ]

Giulliana Rocha e Silva Rissi (professora especialista na Rede Municipal de Ensino)  giu_rissi@hotmail.com

Isa Marques Alemar (Professora especialista efetiva na Rede Municipal de Ensino)  isa_alemar@hotmail.com 

Algumas das dificuldades encontradas na educação estão na construção do sentido numérico dos alunos, isto é, serem numeralizados, capazes de colocar em prática a noção matemática no seu cotidiano fora e dentro da escola; há também a dificuldade em trabalhar os jogos e atividades que exigem raciocínio logico junto com outros conteúdos, contemplando o processo de alfabetização e letramento. Diante disso, foi desenvolvido no ano de 2014 um curso de aperfeiçoamento voltado à alfabetização matemática e ao letramento, através do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), sendo ele um compromisso do governo de possibilitar a qualidade de ensino no processo de alfabetização.

Este relatório, então, traz um significado muito expressivo sobre a prática desenvolvida em sala de aula que trabalhou, de forma ampla, sistematizada e multidisciplinar, a familiaridade com o mundo dos números, bem como o uso de diferentes instrumentos e formas de representação, compreensão de regras e conceitos matemáticos envolvidos com o mundo do letramento e em diferentes situações do cotidiano.

O jogo desenvolvido na sala de aula teve duração de três dias, separados por momentos. Ele foi escolhido com o propósito de fazer com que todos participassem e também a tentativa de associar o ensino com o tema “Aniversário”, devido ao entusiasmo da turma em comemorar os aniversários do primeiro semestre. Assim, o jogo foi de situações problemas envolvendo o tema proposto com o nome dos próprios alunos da sala.

Foi escolhido, como gênero textual, o convite da turma e, por fim, um relatório em que eles criassem situações usando a numeração como forma de descrição dos fatos.

É notório compreender a importância do gênero textual na compreensão da linguagem e no desenvolvimento da leitura e da escrita. Assim, o relatório foi feito a fim de analisar a construção da noção lógica a partir da criação de fatos estabelecidos pelo grupo de alunos; o convite foi criado, o que auxiliou na noção de tempo, espaço e regras.

E, para finalizar as atividades, foi feito o registro no caderno, como forma de desenvolver a escrita contextualizada, descrevendo não só o que foi ensinado, como também seu ponto de vista sobre o que foi trabalhado.

 

DESENVOLVIMENTO

 Inicialmente foram discutidos as regras e os combinados para cada atividade em sala, explorando o momento de leitura e oralidade entre os alunos. Após a conversa e registro no quadro das regras, a turma foi organizada em grupos de seis, com um líder em cada grupo. O líder foi responsável pela organização do grupo (contava na regra).

 1º momento: construção da tabela e do gráfico

 No primeiro momento foram expostos os trabalhos dos calendários no quadro (anexo 1) e, a partir dele construímos uma tabela, registrada no caderno, para representar os meses e a quantidade de aniversariantes em cada mês.





Após a construção da tabela, foram feitos os gráficos em folha quadriculada. 

Para finalizar esta aula foi feito o relatório individual no caderno por cada aluno, explicando o que foi feito e qual foi a avaliação por parte de cada um.

2° momento: gêneros textuais - confecção do convite e relatório aberto

 Este momento foi iniciado com a confecção do convite, tendo os alunos de cada grupo como convidados. Na lista, os nomes foram escritos na ordem alfabética.

No convite havia: data, hora, local, endereço, cidade e os convidados.


Ao final da confecção do convite, os grupos fizeram um relatório aberto, construindo uma noção matemática de data de comemoração, quantidade de pessoas, de salgados, garrafas de refrigerantes e doces para a realização da festa.

Foi interessante reparar que os alunos discutiam uma noção de quantidade de salgados e refrigerantes para uma determinada quantidade de pessoas (relação texto e número). Em um grupo, um aluno disse que havia 30 convidados e, mais à frente no texto, 6 salgados para esses convidados. Ao relerem o texto e discutirem, repararam que havia pouco salgado para 30 pessoas. Com isso, eles apagaram e refizeram a quantidade de cada item. Vale ressaltar que a linguagem é social, e esta etapa do trabalho de gêneros textuais, em grupos, foi riquíssima para propiciar momentos de interação com os colegas, não só na forma de comunicação, mas também de compreensão do pensamento do outro e reformulação do seu próprio pensamento.

Após essa etapa, foi feito um relatório individual no caderno, descrevendo o que aprenderam e qual foi a avaliação de cada aluno sobre a atividade.

 

3º momento: desenvolvimento do jogo de desafios: situações problemas

 Após trabalhar a relação gênero textual e sistema numeral, foi desenvolvido um jogo de desafios com situações problemas. O intuito desse jogo foi fazer com que os alunos discutissem sobre o desafio, lançassem hipóteses de como resolvê-lo, estabelecessem relações com número e quantidades utilizando qualquer instrumento aprendido durante todas as aulas (material dourado, ábaco, mãos) e registrassem numa folha como eles chegaram ao resultado.

O jogo foi desenvolvido da seguinte forma: um aluno de cada grupo foi escolhido, através do jogo adedonha, e foi à frente da sala para sortear os desafios, que eram questões de fatos numéricos ( +, -, x) com o tema aniversário. Após pegar os desafios, cada um caminhou até seu grupo para, então, resolvê-los todos juntos até chegarem às respostas corretas.



Nessa hora, houve muita conversa em sala de aula, pois todos queriam chegar a um resultado o mais rápido possível. No entanto, foi muito proveitoso, pois todos estavam bastante atentos e quanto mais mãos abertas para quantificar os números, mais envolvidos todos eles ficavam. Infelizmente, no meio do jogo a professora precisou sair da sala para resolver uma questão imediata e não pôde acompanhar parte do trabalho, o que gerou certo conflito entre os alunos e a professora eventual.

Caminhando para o final do jogo, que se deu logo após o recreio, os grupos que terminavam as questões foram entregando para a professora os cálculos e o resultado registrados numa folha avulsa. E, com isso, foi sendo registrada no quadro a classificação de cada grupo, sendo: 1° lugar, 2° lugar, 3° lugar, 4° lugar e 5° lugar.

Finalizando a aula, todos fizeram um relatório individual no caderno com relatos do que aprenderam na aula do dia e qual foi a sua avaliação sobre a mesma.


CONCLUSÃO

 A atividade desenvolvida na sala foi bastante trabalhosa, exigente (por precisar de disciplina e envolvimento da turma, sendo que a professora foi a mediadora) e longa, mas a maioria dos alunos se envolveu nesse processo.

Alguns alunos tiveram dificuldades em trabalhar em equipe por não aceitar ideias de outro colega. Após as atividades do dia, foram discutidos quais os propósitos dos trabalhos em grupos e a importância dos mesmos. Assim, no decorrer dos dias e dos trabalhos em grupo, parte desses alunos compreenderam e participaram com mais resistência e menos intolerância.