GERAL


Professoras do IFTM e da PMU conduzem a formação do NTE

postado em 22 de dez de 2015 06:29 por Andre Martins   [ 22 de dez de 2015 06:30 atualizado‎(s)‎ ]

Ministrantes convidadas abordam Ferramentas Digitais de Interação na formação de novembro do NTE. 

https://goo.gl/photos/eV2Ncc3x9QZYMTVZ6

No dia 27 de novembro de 2015, o Núcleo de Tecnologia (NTE) promoveu a palestra/oficina, intitulada “Ferramentas Digitais: Mão na Massa” ministrada pelas professoras Ms. Gyzely Lima (IFTM) e Esp. Lucimar Araújo (E.M. Inspetora France/SME-PMU). No encontro os professores de informática educativa tiveram a oportunidade de realizar uma tarefa interativa de elaborar uma história, coletivamente, usando a ferramenta de edição do Google Drive. Após a motivação didática da professora Gysely, utilizando-se do conhecido conto de fadas “Cinderela”, os professores decidiram sobre a temática, personagens e enredo da história que foi sendo construída simultaneamente pelos grupos, divididos, a partir dos personagens da história.

Além dessa atividade, as professoras convidadas abordaram outras ferramentas digitais como a criação de comunidades no Google +, Karrot (uma plataforma de aprendizagem gratuita baseada em um jogo podendo abordar qualquer assunto, em qualquer idioma, em qualquer dispositivo e que pode ser usado para diferentes idades) e o Voki (um serviço que permite a criação de personagens virtuais (avatar) que podem repetir mensagens gravadas).

NERER: reflexão ação são fundamentais no exercício da formação

postado em 10 de dez de 2015 10:36 por Andre Martins   [ 10 de dez de 2015 10:36 atualizado‎(s)‎ ]

https://goo.gl/photos/K2vRRwhRhz29rbd2A
A formação  na escola é de suma importância para atender ao princípio ação-reflexão-ação. Pensando assim, o Núcleo de Educação das Relações Etnicorraciais (NERER), no decorrer de 2015, efetivou várias ações nesse sentido, pautando-se pelo cumprimento da lei  11.444/13 principalmente nos itens I, VII e X que  tratam, respectivamente, da intervenção educativa para melhoria do fluxo e do rendimento escolar; da  colaborar para o desenvolvimento de uma educação livre de quaisquer tipos de preconceito e discriminação; bem como do desenvolvimento de programas e projetos, visando a garantia do acesso, permanência e conclusão, com qualidade, dos estudos.

As Orientações Teórico/Práticas Elaboradas com Gestores e demais documentos que norteiam as ações da Secretaria Municipal de Educação colaboraram com as Escolas Municipais na efetivação de seus Planos de Formação e para transformar a formação em ação. Três processos foram fundamentais nesse processo: a escuta de todos os profissionais da escola, a organização e o apoio/parceiros e recursos materiais adequados e o enfoque dado aos avanços obtidos para que se mantenham ao longo do tempo por meio da institucionalização das ações nos documentos oficiais da Escola a citar Projeto Político Pedagógico, Regimento, PAPAE, planos de aula, dentre outros.

Assim, os profissionais da educação que participaram das formações oferecidas pelo NERER, independente da função que desenvolvem, sendo as temáticas relacionadas às questões etnicorraciais para efetivação das leis 10.639-03 e 11.645-08. Temas como História e Cultura Africana e Indígena, Povos tradicionais de Matriz Africana, Conceitos (Racismo, preconceito, Raça, etc.), o negro e o índio na formação da sociedade nacional, foram contemplados nesse processo de formação.

II Fórum de Grêmios mobiliza alunos no Cemepe

postado em 3 de dez de 2015 09:35 por Andre Martins   [ 3 de dez de 2015 09:35 atualizado‎(s)‎ ]

https://goo.gl/photos/JT9HJcPvP9buCe7G6
O Fórum de Grêmios Estudantis Livres pelo Direito de Ensinar e de Aprender (GELDEA) é um evento promovido pelo Núcleo de Assuntos Estudantis (NAE) do Centro Municipal de Estudos e Projetos Educacionais Julieta Diniz em parceria com Secretaria Municipal de Educação e Prefeitura Municipal de Uberlândia.

O evento reúne todos os Grêmios Estudantis das escolas municipais de Uberlândia em articulação com outras instituições afins. O fórum tem como objetivo viabilizar discussões e elaborar ações a serem instituídas nas escolas, visando oferecer uma educação de qualidade aos estudantes do município.

Para viabilizar que as demandas a serem abordadas no II FGELDEA em 2015 sejam resultantes de discussões dos estudantes da rede municipal, o fórum teve uma nova estrutura.

A primeira etapa (10 de julho) houve a participação de representantes das coordenações dos grêmios estudantis que levantaram demandas consideradas pelos grêmios como relevantes no  cotidiano escolar.

A segunda etapa, a partir das demandas elencadas no dia 10, foram agrupadas cada escola foi agrupada por eixos temáticos com a realização de minifóruns (um eixo temático a partir do interesse dos estudantes de cada instituição). Para tanto, o NAE ofereceu suporte pedagógico infraestrutura para professores orientadores e coordenadores dos Grêmios Estudantis. Ao final de cada minifórum, os coordenadores dos grêmios elaboraram um relatório contendo as discussões e propostas levantadas pelos estudantes.

A terceira etapa do fórum foi realizada, também, por meio de minifóruns por polos: Norte, Sul, Leste, Oeste e teve como referência os relatórios elaborados por cada escola.

Para instituição do trabalho em cada polo, foi escolhida uma escola para sediar as discussões da região e, também uma equipe intergrêmios que se responsabilizou pela elaboração do relatório do polo.

O II Fórum GELDEA, como um espaço para a socialização das experiências dos grêmios de cada escola e dos saberes adquiridos por meio dessas experiências, estabeleceu entre os grêmios um caráter de permanente discussão a respeito da promoção de uma educação de qualidade e do bem-estar dos estudantes. Assim, o fórum teve como prioridade a efetivação do direito dos alunos a aprender e ensinar desde a primeira etapa do ensino fundamental. 

A plenária final (dia 28/11 no Cemepe) contemplou todas as discussões e demandas propostas pelos estudantes. Nessas discussões, os estudantes foram convidados a delinear, juntos, planos que fomentem a ideia de participação dos alunos no processo de aprendizagem.

Um dos objetivos principais do fórum é criar espaço de discussão para os alunos de modo que, juntos, pensem uma melhor forma de qualificar a educação.

Na oportunidade, foram elaboradas propostas relacionadas às demandas detectadas nas escolas municipais. Tais propostas serão sistematizadas em um relatório entregue, durante a mesa final, aos representantes de cada secretaria responsáveis pelas ações elencadas no relatório, e ao prefeito municipal. 

Tecendo redes pelo Direito de Ensinar e de Aprender

postado em 2 de dez de 2015 10:48 por Andre Martins   [ 2 de dez de 2015 10:52 atualizado‎(s)‎ ]

https://goo.gl/photos/1utghjz94k1Yjqg5A
Professores, pedagogos, diretores escolares, educadores infantis e demais servidores das escolas municipais de Uberlândia, estiveram reunidos na Arena Tancredo Neves (Sabiazinho) em 29 de outubro deste ano, para um Encontro promovido pela Secretaria Municipal de Educação.

Com o tema “Tecendo redes pelo Direito de Ensinar e de Aprender”, o encontro contou com mostras de trabalhos desenvolvidos nos diferentes polos da Secretaria Municipal de Educação, momentos culturais e palestra proferida pela Profa. Dra. Viviane Mosé.

A palestrante, poetisa, filósofa, psicóloga e psicanalista, iniciou sua palestra destacando a nossa incapacidade de vivermos juntos, em comunidade. Mosé enfatizou que a sociedade está organizada em rede, questionando sobre como conviver numa sociedade organizada neste prisma.

Para Mosé, em épocas anteriores, o único acesso que tínhamos ao conhecimento era o professor, hoje há outros meios de acesso ao conhecimento, disponibilizados pelas novas tecnologias da comunicação, dentre elas, a internet.

Nesse sentido, ela retomou o questionamento “como conviver numa sociedade em rede? Pois, embora alguns não admitam, a nossa sociedade está organizada em rede”. Neste sentido, a palestrante destacou que a sociedade está esfacelando diante de nós, o que impõe desafios a pais e educadores, em especial, o desafio de aprendermos a conviver, educar e nos educarmos, ante este novo modelo.

Outro ponto apresentado pela palestrante diz respeito ao modo como a sociedade está organizada, que é no formato de pirâmide. Isto impõe o desejo de crescermos até o topo da pirâmide e, para se conseguir isto, muitas vezes é preciso eliminar o outro. Esta competição acaba por nos apontar para a necessidade que temos como pais, professores e educadores, de trabalharmos valores como a dignidade e a honra.

Viviane Mosé afirma que “não existe vida sem crise, mas o momento em que vivemos é um pouco pior”, pois vivemos uma crise de liderança familiar, crise de liderança do professor, dentre tantas outras.

Além desta crise, outro ponto destacado é o fato de que na web não há relacionamento afetivo, com isto, podemos estar produzindo uma geração de psicopatas, incapazes de ter sentimentos de amor e piedade uns pelos outros.

Para a palestrante, a exclusão do mundo já foi material, hoje as pessoas são mal vistas e excluídas por causa da educação. Então, se é a educação que determina, a resposta está na pergunta: “Qual educação? ”, pois, embora vivamos em um mundo com grande desenvolvimento tecnológico, nunca fomos tão imaturos político e socialmente.

Foram colocados como desafios para a educação no contexto atual: produzir acordos e valores e produzir raciocínio de forma elaborada. Nesse sentido, se estimularmos nossos filhos a pensar, eles terão maiores e melhores oportunidades. A maior força que existe é a do pensamento; sabendo disso, as classes operárias pleitearam o direito de aprender a ler e a escrever. Assim, é importante compreender que só teremos uma escola funcionando quando ela for importante para a comunidade.

Mosé destacou que não são os resultados educacionais que vão dizer se a educação está bem, mas se houver respeito, diálogo e convivência. A palestrante finaliza dizendo: “Temos que tornar a rua capaz de receber as crianças; isto é ser uma cidade educadora”.

A palestra serviu para que os educadores reflitam sobre os desafios da educação na contemporaneidade. A construção de uma cidade Educadora não é uma tarefa simples, para que se concretize, são necessárias mudanças profundas na maneira de pensar, de educar e de investir na educação.

Seminários Integrados de EJA é realizado no Cemepe

postado em 2 de dez de 2015 09:27 por Andre Martins   [ 3 de dez de 2015 09:38 atualizado‎(s)‎ ]

https://goo.gl/photos/aHmTS7bhSA88JXpq8
A fim de socializar experiências e vivências dos profissionais que atuam na Educação de Jovens e Adultos (EJA), a Universidade Federal de Uberlândia – UFU (PROEX, FACED, ESTES e Rede Nacional de Formação de Professores da Educação Básica – MEC) e  Prefeitura Municipal de Uberlândia (Secretaria Municipal de Educação, Centro Municipal de Estudos e Projetos Educacionais Julieta Diniz –CEMEPE e o Núcleo de Educação de Jovens e Adultos – NEJA) realizaram nos dia 10,11 e 12 de novembro de 2015, Os Seminários integrados  X TRIEJA: Diversidade e Inclusão, EJA e Juventude e I Entrelaçando Saberes: Diversidade e Inclusão.

Os eventos oportunizaram uma reflexão sobre as boas práticas de ensino e de aprendizagem no âmbito da EJA, um fortalecimento da formação continuada em serviço e em rede, proposta pela Lei Municipal 11.444/2013.

A concepção da referida ação reconhece a dimensão dos desafios que os profissionais da educação enfrentam e a necessidade de se formarem continuamente sob o prisma da Educação Popular.  Assim, os eventos integrados oferecem espaço para relatos orais e mostra de pôsteres pelos quais os professores e alunos têm oportunidade para expor seus projetos e/ou experiências exitosas.

As atividades do evento compreenderam, ainda as seguintes palestras: “A EJA no norte de Minas Gerais”; “Saberes e Práticas de EJA: como mobilizá-los” e “Desafios da Formação Continuada: histórias de EJA”.

Os Seminários ocorreram no espaço de Convivência do Cemepe e contou com a participação de aproximadamente mil  pessoas, envolvendo alunos de EJA da alfabetização ao 9º Ano; graduandos do curso de Pedagogia da UFU e da Faculdade Pitágoras; professores, pedagogos e gestores que atuam nas redes municipais, estaduais, federais e particulares, dentre outros.

1-5 of 5