Formação

Curso se solidifica como espaço para trocas de experiências

postado em 7 de jul de 2016 12:13 por Andre Martins   [ 30 de set de 2016 06:57 atualizado‎(s)‎ ]

Curso propiciou espaço de formação e discussão para coordenadores de dezoito grêmios estudantis das escolas da rede municipal e também para os professores orientadores dos grêmios.


No dia 30 de junho, no Cemepe, o Núcleo de Assuntos Estudantis (NAE) realizou o módulo II do Curso: “O Papel dos Grêmios Estudantis livres na Gestão da Escola Democrática”, com o tema “Gestão Democrática, participação e inclusão social: em foco os grêmios estudantis livres”.
Na abertura do evento, o grupo de dança Quadrilheiros da Jacy (EM Prof. Jacy de Assis) fez uma belíssima apresentação, enfatizando a cultura popular. 

No encontro foram realizadas duas rodas de conversas. A primeira, intitulada Gestão Democrática, Participação e Inclusão Social, teve a participação de cerca de 150 estudantes que coordenam os grêmios e foi mediada pelos professores Dr. Alexandre Garrido da Silva e Dr. Roberto Bueno Pinto, ambos da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Uberlândia (FADIR/UFU). A segunda roda de conversa, intitulada Gestão Democrática, participação e inclusão, contemplou os professores orientadores dos grêmios e teve a mediação do Prof. Dr. Benerval Pinheiro Santos da Faculdade de Educação da UFU (FACED/UFU).

Com esse módulo, curso propiciou espaço de formação e discussão para coordenadores de dezoito grêmios estudantis das escolas da rede municipal e também para os professores orientadores dos grêmios. O NAE objetivou, com a atividade, criar espaço para trocas de experiências, convivência entre diferentes ideias e campo de debates democráticos sobre o mundo que cerca os estudantes, professores e demais integrantes da comunidade escolar. Além disso, o Núcleo teve como meta contribuir com a reflexão do estudante em relação ao seu papel no trabalho educativo vinculado e comprometido com o movimento amplo de construção da democracia e cidadania. Como, também, discutir e encaminhar estratégias e ações para participação efetiva dos estudantes nas decisões que envolvem a efetivação de uma educação de qualidade referenciada socialmente.

Formação de História aborda a Lei Nº 11.645/2008

postado em 7 de jul de 2016 07:37 por Andre Martins   [ 7 de jul de 2016 07:40 atualizado‎(s)‎ ]

O Prof. Dndo. Robert Mori  abordou diversos aspectos sobre populações indígenas brasileiras

No dia 14 de junho, na Formação Contínua dos Professores de História, foi realizado o módulo “Brasil Indígena hoje: contemplando a Lei Nº 11.645/2008 no cotidiano escolar”, ministrado pelo prof. Robert Mori. Ele é graduado em História pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), mestre em Ciências Sociais (Concentração em Antropologia e Sociologia) e doutorando em História pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Na UFU, ele realiza a pesquisa intitulada “A'uwe (Xavante) e waradzu: uma história do contato entre índios e não-índios nos sertões do norte da Capitania de Goiás - séculos XVIII e XIX”.

O professor abordou diversos aspectos sobre populações indígenas brasileiras, tais como censo, áreas demarcadas e troncos linguísticos.  O enfoque esclareceu dúvidas mais comuns e desfez generalizações que, erroneamente, são feitas no estudo dessa temática.

Na sequência, o professor trouxe diversas sugestões de trabalhos que podem ser trabalhados com os estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental envolvendo a Lei nº 11.645/2008, que torna obrigatório o estudo da História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena. As sugestões apresentadas pelo palestrante englobam o uso de fontes iconográficas, documentais, cinema e música, incluindo, até mesmo, rádio indígena online e curtas metragens realizados por indígenas de várias etnias.


A coordenação da área e os professores de História agradeceram o professor Robert Mori pela rica formação ministrada e pelos conhecimentos compartilhados. Para aqueles que desejarem conhecer um pouco dos materiais utilizados no encontro, basta acessar o site da área em <historia.ntecemepe.com>

 

Professor da UFU fala sobre Literatura Indígena

postado em 4 de jul de 2016 07:45 por Andre Martins   [ 6 de jul de 2016 10:53 atualizado‎(s)‎ ]

Professores de Português e Literatura recebem formação sobre Literatura Indígena 

No dia 15 de junho de 2016, o Prof. Dr. Carlos Augusto de Melo (PGLET/ILEEL/UFU) proferiu palestra com a temática da Literatura Indígena. A atividade faz parte do calendário da Formação Continuada das áreas de Português e Literatura do Cemepe. Trata-se de uma estratégia para implementação da Lei 11.645/2008 nas aulas dos professores de Literatura da Rede Municipal de Uberlândia. O encontro teve como intuito, também, incentivar o estudo da literatura indígena e a continuidade da formação dos professores da rede, nos níveis de mestrado e doutorado.





Google Drive é tema de encontro de Geografia

postado em 17 de jun de 2016 12:12 por Andre Martins   [ 4 de jul de 2016 07:37 atualizado‎(s)‎ ]

Formadora do NTE fala para professores de Geografia sobre aprendizagem colaborativa com o Google Drive


https://drive.google.com/a/ntecemepe.com/folderview?id=0BznePxIuUMEKZHlDQWRmeFBCRlk&usp=drive_web

No dia 14 de junho, na Formação de Geografia foram desenvolvidas duas temáticas. A primeira “Aprendizagem Colaborativa: Google Drive em Sala de Aula”, ministrada pela professora de Arte e formadora do NTE, Maria Rosalina Souza Miguel que falou sobre a criação de formulário avaliativos a partir do Google Drive e sobre o corretor Flubaroo (complemento que pode ser adicionado ao formulário). O aplicativo é uma ferramenta gratuita de correção automaticamente para questões objetivas de múltipla escolha elaboradas Google Drive. Além disso, a ferramenta calcula a pontuação média, mostra gráfico de distribuição de notas e permite que, ao final do exame, o resultado seja enviado por e-mail ou por link. Durante o encontro, ficou estipulado no mês de agosto será dada continuidade à temática com uma atividade prática no laboratório de informática do Cemepe.

 No segundo momento, os professores receberam orientações sobre a escolha do livro didático pela formadora de Geografia, Elisângela de Azevedo Silva Rodrigues. Em seguida, os professores tiveram a oportunidade de conhecer as obras aprovadas pelo MEC e compartilhar suas opiniões em roda de conversa.



Formação de Geografia visita Parque Estadual do Pau Furado

postado em 17 de jun de 2016 10:26 por Andre Martins   [ 9 de nov de 2016 07:14 atualizado‎(s)‎ ]


O objetivo da visita ao PEPF foi de incentivar os professores da área a utilizar o trabalho de campo como prática pedagógica, a fim de estimular o conhecimento de seus alunos

https://drive.google.com/drive/folders/0BznePxIuUMEKSDIxamdzdVc3M0E?usp=sharing
No dia 17 de maio às 8h30 da manhã, a Formação de Geografia realizou um trabalho de campo no Parque Estadual do Pau Furado (PEPF). A atividade foi ministrada pela Geógrafa e Monitora Ambiental do PEPF Isabelle Damasceno.

Durante o trajeto foram abordados os assuntos sobre a criação da unidade de conservação do PEPF que decorre da medida de compensação florestal estabelecida pela Fundação Estadual de Meio Ambiente (FEAM) durante o processo de licenciamento ambiental do Complexo Energético Capim Branco I e II. A origem do nome Pau Furado é uma referência a árvore de Copaíba (Copaifera lansdorffii) que era o ponto de encontro dos moradores locais. Foram abordados assuntos sobre a fauna, flora e manejo ambiental.

Os professores de Geografia foram guiados pela trilha da Cachoeira do Marimbondo com aproximadamente 897 metros de extensão e desnível de 61 metros nos arredores do PEPF, passaram pelo córrego Marimbondo até o ponto de chegada, a Cachoeira.

O objetivo da visita ao PEPF foi de incentivar os professores da área a utilizar o trabalho de campo como prática pedagógica, a fim de estimular o conhecimento de seus alunos.

O PEPF fica aberto ao público de terça à sexta-feira das 8h às 16h, limitada a entrada até as 15h. O atendimento é realizado com agendamento prévio pelo endereço eletrônico: http://paufurado.blogspot.com.br/. Aos sábados, domingos e feriados o Parque atende ao público em geral sem agendamento prévio, respeitando o horário estipulado.

1-5 of 5